Óleo de palma e coronavírus, a OMS desaconselha em casos de pandemia

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Óleo de palma e óleo de cozinhaEntre as muitas indicações divulgada nos últimos meses, a Organização Mundial da Saúde (OMS) também forneceu alimentos, destacando o que deve ser evitado e o que deve ser consumido em tempos de pandemia. A recomendação geral é manter uma dieta equilibrada e cuidar da hidratação, pois essas duas condições garantem um bom funcionamento do sistema imunológico. Alimentos frescos, processados ​​o mínimo possível, ricos em fibras, minerais, vitaminas, proteínas e antioxidantes e com baixo teor de açúcar e sal, representam o cardápio ideal. Em particular, o Escritório Regional para o Mediterrâneo Oriental recomenda:

  • Comida fresca todos os dias: prefira frutas, legumes e legumes, frutas secas e grãos integrais e alimentos de origem animal. Coma 4 porções de frutas frescas, cinco vegetais todos os dias (*), 180 gramas de cereais, 160 de carne ou legumes, limitando a carne vermelha a duas porções por semana e o frango a 2-3. Quanto aos lanches, opte por frutas e vegetais crus. Evite cozinhar demais os legumes, para não perder vitaminas e, ao escolher produtos enlatados, prefira embalagens sem adição de açúcar ou sais.
  • Muita água: a quantidade recomendada é de 8 a 10 xícaras (uma xícara equivale a 236 mililitros), de preferência de água, mas sucos, chás de ervas, chá ou café também são bons, desde que não seja adicionado açúcar adicionado. Não exagere com cafeína.
  • Baixo teor de gordura: gorduras insaturadas são melhores (por exemplo, presentes nos óleos de abacate, peixe, azeitona, soja e canola), limitando a ingestão de gorduras saturadas presentes na manteiga, carnes gordas, óleo de palma e óleo de coco (ao qual retornaremos em um momento), em banha e em queijos. Sempre prefira carnes brancas e levemente processadas (e, portanto, com um pouco de sal e gordura) e peixe e versões com pouco leite e gorduras lácteas. Evite, tanto quanto possível, os ácidos graxos trans contidos em alimentos industriais, como lanches e lanches, batatas fritas, pizzas congeladas e assim por diante.
  • Pouco sal e açúcar: lembre-se, ao preparar os alimentos em casa, que a quantidade máxima recomendada de sal é de 5 gramas por dia e que seria melhor evitar adicionar açúcar aos alimentos e bebidas e escolher aqueles que não contêm açúcar.
  • Comer em casa: evite oportunidades de contato com gotículas respiratórias de outras pessoas e, portanto, também restaurantes, onde elas estão abertas.
Leia Também  "Os dados não fazem sentido"
leite com fórmula de óleo de palma
As recomendações de um escritório regional da OMS indicam explicitamente o óleo de palma como gordura a ser evitada durante a pandemia.

Até agora nada de particularmente inesperado. Mas a menção explícita do óleo de palma (do qual, lembramos, na Itália, o consumo de alimentos caiu muito nos últimos anos) não foi apreciada pela Malásia, o segundo produtor do mundo, que protestou definindo fortemente o conselho “antiquado” .

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

De acordo quando relata o ReutersKalyana Sundram, CEO do Conselho de Óleo de Palma da Malásia (MPOC), disse que “A OMS voltou ao antigo erro, promovendo alguns óleos básicos e eliminando o óleo de palma“E reiterou que o óleo de palma tem um equilíbrio natural de gorduras saturadas e insaturadas, o que garante a absorção de vários micronutrientes alimentares, não requer hidrogenação e está disponível em grandes quantidades. O que seria particularmente útil em alguns países.

A declaração MPOC, de fato, ele continua dizendo que “em países onde o consumo de gordura é menor do que as recomendações da OMS, como em grande parte da Ásia e da África, a atenção à saúde é diferente. A necessidade de fornecer uma fonte confiável, sustentável e acessível de calorias contra a desnutrição (e maior suscetibilidade a infecções) é crítica“. Curioso que o Conselho cite, para apoiar suas motivações, a mesma OMS criticou profundamente nas linhas finais, dizendo que deveria se concentrar na busca por “idéias de gestão da saúde radicalmente diferentes“Em vez de recorrer a”mensagens antiquadas“.

(*) Nota: em suas recomendações, a OMS para frutas e legumes usa padrões de porções que não sejam italianas (cinco porções de 150-200 g entre frutas e legumes) e como referência usa os “copos”, uma unidade de medida usada muito no mundo anglo-saxão. Recomenda-se duas xícaras por dia para frutas e 2,5 para legumes.

Leia Também  para o CDC de Atlanta, ele não se espalha facilmente das superfícies

© Reprodução reservada

Agnese Codignola

jornalista científico



cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br