Novo procedimento pode acabar com a insulina para diabetes tipo 2

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Foto da notícia: Procedimento minimamente invasivo pode libertar diabéticos tipo 2 da insulinaPor Serena Gordon
HealthDay Reporter

QUARTA-FEIRA, 14 de outubro de 2020

Um pequeno estudo sugere que um novo procedimento que trata parte do intestino logo após o estômago pode permitir que pessoas com diabetes tipo 2 parem de tomar insulina com segurança.

O procedimento – que ressurge o duodeno – foi combinado com um tipo popular de medicamento para diabetes chamado agonista do receptor de GLP-1 (como Victoza, Trulicity, Ozempic) e aconselhamento sobre fatores de estilo de vida, como nutrição e atividade física.

Seis meses após o início do tratamento, três quartos dos participantes que tomavam insulina não precisavam mais dela. A quantidade de gordura armazenada em seus fígados caiu de 8% para menos de 5%.

“O duodeno possui um amplo potencial para o tratamento do diabetes tipo 2 e este tratamento combinado pode ser uma abordagem revolucionária no tratamento do diabetes tipo 2 e da síndrome metabólica”, disse a pesquisadora principal, Dra. Suzanne Meiring, da Amsterdam University Medical Centro na Holanda.

Este estudo preliminar incluiu 16 pacientes, todos submetidos a Resurfacing Duodenal da Mucosa (DMR). Não houve grupo de placebo ou grupo apenas com medicação para comparação. O estudo foi financiado pela Fractyl Laboratories, que desenvolveu o procedimento.

DMR é um procedimento minimamente invasivo que depende de um endoscópio – um tubo estreito e flexível que contém uma luz e uma câmera de vídeo que permite ao médico ver o interior do corpo. O endoscópio também pode conter ferramentas especiais para tratamento. O tubo é enfiado na garganta até o sistema digestivo.

No DMR, o endoscópio é guiado até o duodeno, onde os médicos então ressurgem, ou ablam, seu revestimento. Meiring disse que ainda não está claro por que o procedimento funciona.

Leia Também  O que acontece com nossos corpos durante o sexo?

“Achamos que os efeitos resultam de uma combinação de mudanças que ocorrem quando a mucosa duodenal é removida e rejuvenescida”, disse ela. “Achamos que as mudanças na sinalização hormonal, incluindo o hormônio intestinal GLP-1, as composições de ácidos biliares e o microbioma desempenham um papel importante.”

Os 16 participantes tiveram diabetes tipo 2 por uma média de 11 anos. Em média, eles tomavam insulina há pouco menos de três anos. Nenhum havia tomado um agonista do receptor de GLP-1 antes do estudo.

No início, seus níveis médios de A1C – uma estimativa dos níveis de açúcar no sangue ao longo de dois a três meses – estavam abaixo de 8%. Após 12 meses, a média caiu para 6,7%. Para a maioria dos adultos, a American Diabetes Association recomenda apontar para um A1C abaixo de 7%.

Após o procedimento DMR, os pacientes receberam dieta específica por duas semanas. Depois disso, eles começaram a tomar o medicamento agonista do receptor de GLP-1.

Meiring disse que os pesquisadores adicionaram a droga porque ela também atinge o duodeno. Eles esperavam que aumentasse os efeitos do DMR, “possivelmente até causando um efeito sinérgico”, disse ela.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Ela disse que não acha que os efeitos positivos neste estudo derivem apenas do tratamento medicamentoso. Outros estudos demonstraram que cerca de 10% das pessoas que começam a terapia com GLP-1 conseguem parar de usar a insulina, disse Meiring. Neste estudo, 75% das pessoas que tomaram insulina conseguiram parar.

Os participantes que não estavam livres de insulina após 12 meses precisaram de apenas cerca de metade da insulina necessária antes do procedimento.

Seu índice de massa corporal (IMC) médio – uma medida de gordura corporal com base na altura e peso – caiu de pouco menos de 30 para 25,5 quase normal após 12 meses.

Leia Também  Ataque cardíaco aos 44 anos a ajudou a perceber os perigos do diabetes

Os pesquisadores disseram que não houve efeitos colaterais graves relacionados ao procedimento.

Dr. Akankasha Goyal, um endocrinologista da NYU Langone Health na cidade de Nova York, revisou os resultados.

“Este é um procedimento simples e único que parece ter resultados surpreendentemente positivos”, disse ela. “Mas, este é um pequeno grupo de uma população homogênea. Parece esperançoso, mas precisamos ver os ensaios maiores. E, precisamos saber: quanto tempo dura o procedimento?”

O Dr. Mitchell Roslin, chefe da cirurgia de obesidade do Hospital Lenox Hill em Nova York, classificou as descobertas como “muito empolgantes”, mas pediu cautela.

Roslin disse que o procedimento pode não ter um efeito direto sobre o diabetes. Em vez disso, disse ele, as mudanças positivas provavelmente se devem à perda de peso.

Novo procedimento pode acabar com a insulina para diabetes tipo 2 4

QUESTÃO

______________ é outro termo para diabetes tipo 2.
Ver resposta

“As pessoas em testes clínicos são motivadas a perder peso e a mudar seus hábitos alimentares”, disse Roslin. “Então, a questão é: o procedimento é a causa [of the changes] ou é uma associação? Aposto que é uma associação. “

Os resultados foram apresentados na terça-feira em uma reunião online da United European Gastroenterology. As descobertas apresentadas nas reuniões são normalmente vistas como preliminares.

Meiring disse que os ensaios clínicos controlados por placebo de DMR começaram ou começarão em 35 hospitais, incluindo alguns nos Estados Unidos.

MedicalNews
Copyright © 2020 HealthDay. Todos os direitos reservados.

Referências

FONTES: Suzanne Meiring, MD, Ph.D. candidato, Amsterdam University Medical Center, Holanda; Akankasha Goyal, MD, endocrinologista, NYU Langone Health, New York City; Mitchell Roslin, MD, chefe, cirurgia de obesidade, Lenox Hill Hospital, New York City; United European Gastroenterology, reunião online, 13 de outubro de 2020

Leia Também  O Medicare deve negociar os preços da insulina?



cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br