Melhoramento, causa 50% das emissões agrícolas


No nosso país, 50% das emissões de gases de efeito estufa relacionadas às atividades agrícolas são causadas pela criação de gado, suínos e aves. No entanto, a pecuária também pode contribuir indiretamente para parte da outra metade das emissões agrícolas, que incluem, por exemplo, a combustão de biomassa (que também pode ser proveniente de fazendas) e o uso de fertilizantes, que são usados ​​em abundância no cultivo intensivo de culturas para a produção de alimentos para animais. Por esse motivo, decidiu-se aplicar o plano nacional integrado de energia e clima (Pniec) também às atividades pecuárias, conforme explicado Anmvi Today.

A parte mais crítica o manejo da criação de animais continua sendo o manejo do esterco, que são as principais fontes de três gases de efeito estufa: metano, amônia e óxido nitroso. As emissões de metano, por exemplo, são causadas principalmente por atividades de fermentação bacteriana que ocorrem durante a digestão do gado e no material vegetal não digerido encontrado nos excrementos.

Fermentação microbiana Porém, os excrementos de animais também geram amônia, desde a produção até a distribuição nos campos como fertilizante. A amônia, por sua vez, se torna uma das fontes para a produção de um terceiro gás de efeito estufa, o óxido nitroso, formado durante o armazenamento de esterco e no leito de fazendas.

Como fazerportanto, reduzir essas emissões? As contramedidas levadas em consideração no momento dizem respeito apenas às emissões de amônia e incluem estratégias alternativas de alimentação de animais, técnicas de revistas para armazenamento e distribuição em campos de esterco e repensar os sistemas habitacionais.

Espero que, em um futuro próximo, estão sendo desenvolvidas estratégias para reduzir as emissões também para os outros dois gases que alteram o clima produzidos pela fazenda. Enquanto isso, entretanto, nós, consumidores, também podemos contribuir consumindo menos carne e outros produtos derivados de animais.

© Reprodução reservada

Se você chegou aqui …

… você é uma das 40 mil pessoas que lê nossas notícias sem limitações todos os dias porque damos a todos acesso gratuito. O Il Fatto Alimentare, diferentemente de outros sites, é um jornal on-line independente. Isso significa não ter um editor, não estar vinculado a lobbies ou partidos políticos e ter anunciantes que não interferem em nossa linha editorial. Para isso, podemos escrever artigos favoráveis ​​ao imposto sobre bebidas açucaradas, para neutralizar o consumo exagerado de água engarrafada, relatar avisos de alimentos e relatar anúncios enganosos.

Tudo isso é possível também graças às doações dos leitores. Suporte Il Fatto Alimentare

Giulia Crepaldi