Açafrão e hepatite, o Ministério da Saúde revela os resultados das investigações


Depois de dois meses e meio investigações sobre suplementos de cúrcuma e curcumina foram concluídas com absolvição completa. Conforme revelado por uma nota do Ministério da Saúde, um grupo de especialistas formado para investigar o assunto, juntamente com o comitê técnico de nutrição e saúde animal, estabeleceu que os 21 casos registrados de hepatite colestática aguda podem ser rastreados em três causas distintas. : suscetibilidade individual, presença de alterações da função hepato-biliar pré-existentes ou interações medicamentosas.

As análises realizadas nos produtos relacionados aos casos de hepatite, não revelaram a presença de contaminantes ou adulterantes que pudessem explicar o dano hepático. Uma eventualidade que já era pouco provável, considerando que o caso envolvia cerca de vinte suplementos produzidos em diferentes fábricas ou (mesmo países). O outro elemento que surgiu foi que os problemas hepáticos ocorreram depois de tomar doses variáveis ​​de curcumina. Nos 75 dias desde o início da crise, o Ministério da Saúde registrou 19 produtos diferentes, aconselhando-os a interromper temporariamente o consumo, enquanto outros 14 foram recolhidos por precaução pelas empresas. Chamadas que provavelmente serão revogadas.

Como ele já havia mencionado A Sociedade Italiana de Gastoenterologia e Endoscopia Digestiva, em todo o mundo, já havia sido relatado casos de hepatite colestática aguda associada a suplementos de cúrcuma. Estima-se que 5% das pessoas que tomam esses produtos apresentem problemas hepáticos, especialmente após o consumo prolongado (mais de um mês), em conjunto com a ingestão de medicamentos e sem supervisão médica.

O Ministério da Saúde decidiu que, no futuro, nos rótulos dos suplementos à base de curcuma e curcumina, deve haver um alerta que desaconselha o consumo para pessoas com alterações da função hepato-biliar e para aquelas com cálculos biliares. Na embalagem, então, também deve haver um convite para consultar o médico antes de usar esses suplementos no caso em que eles estão tomando drogas.

© Reprodução reservada

Se você chegou aqui …

… você é uma das 40 mil pessoas que leem nossas notícias sem limitações todos os dias porque damos a todos acesso gratuito. Il Fatto Alimentare, ao contrário de outros sites, é um jornal online independente. Isso significa não ter um editor, não estar vinculado a lobbies ou partidos políticos e ter anunciantes que não interfiram com nossa linha editorial. Para isso, podemos escrever artigos que sejam favoráveis ​​ao imposto sobre bebidas açucaradas, para neutralizar o consumo exagerado de água engarrafada, para relatar advertências alimentares e para denunciar anúncios enganosos.

Tudo isso é possível também graças às doações dos leitores. Suporte Il Fatto Alimentare até um euro.

Giulia Crepaldi