193 pessoas afetadas, especialmente na Andaluzia


É um alarme de listeriose na Espanha, onde até agora 193 pessoas foram afetadas pela bactéria Listeria monocytogenes, num grande surto ligado a produtos à base de carne de porco cozida e refrigerada. Pelo menos 50 dos afetados foram internados no hospital, e uma mulher de 90 anos, de acordo com relatos na mídia espanhola, morreu devido à infecção.

O tamanho do surto Eles pediram ao Ministério da Saúde espanhol para lançar um alerta internacional e para entrar em contato com as autoridades sanitárias europeias e a Organização Mundial da Saúde. Na verdade, cúmplices da temporada de verão e da longa incubação do Listeria (até 70 dias), os casos podem surgir entre viajantes e turistas, uma vez que retornam ao seu país de origem.

lomo al pimentão la mecha espanha listeriaO epicentro da epidemia é a região da Andaluzia, onde 186 infecções ocorreram, mas alguns casos também foram registrados em Aragão (3), Extremadura (3) e na região de Castela e Léon (1). Outros casos suspeitos estão a ser analisados ​​na Estremadura (13), na comunidade de Castela-Mancha (9), nas Astúrias (7, das quais uma mulher grávida), em Madrid (6), na Catalunha (5) e em Aragão (4)

A Agência Espanhola para a segurança alimentar e nutricional, divulgou a lista de produtos cujo consumo está ligado a casos de listeriose. Estes são alguns tipos de patê de porco cozido e refrigerado (creme mechada, manteca colorá, estilo casero praline, zurrapa de hígado, zurrapa lomo blanca e zurrapa lomo roja) e alguns tipos de porco assado (chicharron) andaluz, lomo al jerez, lomo al pimentón e lomo casero al pimentón), todos sob a marca La Mechá, produzida pela empresa Magrudis de Sevilha.

© Reprodução reservada

Se você chegou aqui …

… você é uma das 40 mil pessoas que leem nossas notícias sem limitações todos os dias porque damos a todos acesso gratuito. Il Fatto Alimentare, ao contrário de outros sites, é um jornal online independente. Isso significa não ter um editor, não estar vinculado a lobbies ou partidos políticos e ter anunciantes que não interfiram com nossa linha editorial. Para isso, podemos escrever artigos que sejam favoráveis ​​ao imposto sobre bebidas açucaradas, neutralizar o consumo exagerado de água engarrafada, relatar advertências alimentares e denunciar anúncios enganosos.

Tudo isso é possível também graças às doações dos leitores. Suporte Il Fatto Alimentare até um euro.

Giulia Crepaldi